Ortodoxia-Ortopratica, O Desafio!

Amado leitor, que a abundante Graça de Deus Pai, Todo-poderoso, Criador do céus e da terra, a verdadeira paz que só se encontra em Jesus Cristo, Seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao céus; está sentado à direita de Deus Pai o qual é autor da Salvação dos eleitos, donde há de vir para julgar vivos e mortos e que o poder do Espirito Santo esteja conosco!

Fundada cerca de 315 a.C., foi reedificada como uma nova cidade por um homem chamado Cassandro, um general de Alexandre o Grande, ele deu a essa cidade o nome de sua esposa “Tessalônica” que era meia irmã de Alexandre.

Dessa cidade era possível enxergar o monte Olimpo, a mais alta montanha da Grécia com dois mil novecentos e dezessete metros de altitude (2.917m), Segundo a mitologia era a habitação dos doze deuses gregos.

A igreja dos tessalonicenses situava-se em uma cidade grega, atualmente chamada de Salônica, no nordeste da Grécia e ao noroeste do mar Egeu, em uma planície rica e bem irrigada, o sítio original era chamado Terme, perto do antigo local das fontes termicas daquela região.

Salônica [Tessalônica] é a segunda maior cidade da Grécia moderna, ficando atrás apenas de Atenas; Tessalônica [Salônica] é a principal cidade da região grega da Macedônia, principal eixo de todo desenvolvimento econômico e politico, ela ficou conhecida como mãe da Macedônia.

São Paulo destina essa epistola para dar força aos eleitos de Deus residentes em Tessalônica [Salônica], o vocábulo – εκκλησια – nos revela com base no uso vétero-testamentário e judaico que esses destinatarios são apenas aqueles que pertencem á Deus como Seu Povo, o apóstolo também lembra e encoraja os membros dessa comunidade cristã acerca de preceitos fundamentais da prática cristã, recomendando que buscassem crescimento e aperfeiçoamento daquelas verdades que já haviam recebido; Paulo ainda afirma pontos fundamentais da pessoa e obra do Senhor e Salvador Jesus Cristo, com o fim de serem criteriosos na forma como recebem tanto a pregação [κηρυγμα] quanto o ensino [διδασκω] do verdadeiro evangelho (ortodoxia).

A preocupação do apóstolo Paulo, todavia, era também corrigir o entendimento dos tessalonicenses sobre a questão da volta do Senhor Jesus Cristo, lembra-los de que maneira a ortodoxia veio a Tessalônica (Salônica), como ação verdadeira de Deus e não como produto de mentira, engano ou cosmocisão humana, relembra com autoridade sobre como devem se compartarem, vivendo no processo continuo de santificação dia-após-dia (ortopraxia) á vista de todos os habitantes e em todo o tempo-chamado-agora!

Essa carta tem por seu remetente: Apóstolo Paulo [cf 1:1 e 2:18], mas ele cita mais dois nomes, a saber, Silvano e Timóteo, que foram naquela época companheiros dele em sua segunda viagem missionária, embora Paulo fosse o único autor inspirado, ele na grande maioria dos pronomes da epistola usa a primeira pessoa do plural (nós e nosso) referindo-se também aos seus compaheiros de missão.

  1. Quem foi Paulo?!

[παυλος] Apóstolo ao mundo, segundo a vontade de Deus [II Timóteo 1: 1]; Cidadão Romano: [Atos 22: 22 á 30]; De Descendência Judaica: [Filipenses 3: 5].

Lemos em Atos dos Apóstolos 22: 3 á 11:

“Homens, irmãos e pais, ouvi agora a minha defesa perante vós

(E, quando ouviram falar-lhes em língua hebraica, maior silêncio guardaram). E disse: Quanto a mim, sou judeu, nascido em Tarso da Cilícia, e nesta cidade criado aos pés de Gamaliel, instruído conforme a verdade da lei de nossos pais, zelador de Deus, como todos vós hoje sois. E persegui este caminho até à morte, prendendo, e pondo em prisões, tanto homens como mulheres, como também o sumo sacerdote me é testemunha, e todo o conselho dos anciãos. E, recebendo destes cartas para os irmãos, fui a Damasco, para trazer maniatados para Jerusalém aqueles que ali estivessem, a fim de que fossem castigados.

Ora, aconteceu que, indo eu já de caminho, e chegando perto de Damasco, quase ao meio-dia, de repente me rodeou uma grande luz do céu. E caí por terra, e ouvi uma voz que me dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E eu respondi: Quem és, Senhor? E disse-me: Eu sou Jesus Nazareno, a quem tu persegues. E os que estavam comigo viram, em verdade, a luz, e se atemorizaram muito, mas não ouviram a voz daquele que falava comigo. Então disse eu: Senhor, que farei? E o Senhor disse-me: Levanta-te, e vai a Damasco, e ali se te dirá tudo o que te é ordenado fazer. E, como eu não via, por causa do esplendor daquela luz, fui levado pela mão dos que estavam comigo, e cheguei a Damasco.”

  1. Quem foi Silvano?

 [σιλουανος] Profeta [Atos 15: 32], cidadão romano [Atos 16: 37], judeu e lider [Atos 15: 22], aparece pela primeira vez no livro de Atos dos Apóstolos [15: 22 á 35], foi fiel escudeiro de Apóstolo Paulo na segunda viagem missionária e um pouco mais adiante seria o escriba que auxiliaria apóstolo Pedro a redigir sua primeira carta [I Pedro 5: 12]

Silas também é conhecido na Bíblia como Silvano e é mencionado quatro vezes nas Escrituras com esse nome, é muito provável que Silas também foi um dos setenta anônimos enviados em Lucas 10;

  1. Quem foi Timóteo?

[τιμοθεος] Jovem pastor, ensinado desde á infância por sua mãe (Eunice) e sua avó (Loíde) nas leis de Deus e disciplinado na doutrina, filho na fé do grande São Paulo.

Lemos em Atos dos Apóstolos 16: 1:

“…Chegou também a Derbe e Listra. E eis que estava ali certo discípulo por nome Timóteo, filho de uma judia crente, mas de pai grego…”

Lemos em II Timóteo 1: 1 e 2:

“…Paulo apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, segundo a promessa da vida que está em Cristo Jesus, a Timóteo, amado filho: Graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus nosso Senhor…”

Discipulo Aplicado do apóstolo Paulo [Filipenses 2: 17 á 23]

Viajou na segunda e Terceira viagem missionaria e ficou perto de Paulo durante a sua primeira prisão em Roma [Fp 1: 1; Cl 1: 1; Fm 1]

Recebeu de São Paulo duas epístolas:

  1. Enquanto estava pastoreando o povo de Éfeso; ensinou ao jovem pastor o padão de uma eclesiologia saudavel; [I Timóteo 3: 14 á 16]

  1. Na ocasião em que Paulo estava prestes a morrer, exortou ao jovem Timoteo a ser forte [2 Timóteo 2: 1]

Apóstolo Paulo e seus dois parceiros de viagem missionária mencionava em suas orações os eleitos de Deus em Tessalônica, frequentemente eles se lembravam do rebanho, percebemos que a oração é o principio básico do exercicio fé dos escolhidos de Deus…

Orai sem cessar. 1 Tessalonicenses 5:17

Irmãos, orai por nós. 1 Tessalonicenses 5:25

O trio de servos recordavam á operosidade da fé desse rebanho, não apenas isso como também a abnegação do amor deles e a firmeza de sua esperança!

  1. Operosidade da Vossa Fé:

São Paulo aqui refere-se ao cumprimento das obrigações do ministério cristão na existência, a saber, fé, esperança e amor, a soma desses três pilares é uma marca da teologia paulina [5:8; I Co 13: 13 e Cl 1: 4 e 5], aqui cabe uma colocação:  ortodoxia [doutrina verdadeira] sem ortopraxia [pratica da doutrina verdadeira], não passa de informação sem formação, a operosidade da fé que o trio de vocacionados recordavam dos Tessalônicenses é digna da observação, espanto e imitação da igreja em nossos dias.

  1. Reconhecendo a vossa eleição:

A igreja é chamada também de “os eleitos” [cf Rm 8:33; Cl 3:12; II Tm 2:10; Tt 1: 1], quando falamos de salvação, a vontade inicial é sempre de Deus [Salvador] e não de pessoas [cf Jo 1:13; At 13:46-48; Rm 9:15-16; I Co 1:30; Cl 1:13; II Ts 2:13; I Pe 1: 1-2], a ortodoxia da eleição é revelada por toda Biblia [cf Dt 7:6; Is 45:4; Jo 6:44; At 13:48; Rm 8:29 e 9:11; I Ts 1:3-4; II Ts 2:13; II Tm 2:10, e etc..]

A vontade de todo ser humano com relação a Cruz de Jesus Cristo age em resposta á indução de Deus, Paulo deixa isso bem claro no verso 6 quando afirma que eles haviam recebido a Palavra [λογον] e no verso 9 quando afirma que se voltaram dos ídolos para Deus [θεον].

 “…Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica…” [Romanos 8:33]

São Paulo chamou a sua mensagem [κηρυγμα] de nosso evangelho, porque era destinado a ele e á todos os pecadores do universo, ele sabia que a mensagem não havia tido origem em sua existência, mas divinamente autorizada nela, e por Jesus Cristo ser a pessoa que cumpre a missão impossivel do perdão, Paulo chama também sua mensagem de “o evangelho de Cristo” [3:2], o apóstolo sabia que uma mensagem tão poderosa, clara e firmada só poderia ter vindo de Deus, por isso ele também a chama de “o evangelho de Deus” [2:2-9 e Rm 1:1].

Essa mensagem teria que vir em palavra [λογω – Rm 10:13-17], mas não somente em palavras jogadas ao vento, sem respiração, vida ou exemplo, mas sobretudo, em poder [δυναμει – II Co 2:4-5] na confiança [Is 55:11] do Espirito Santo [δυναμει – II Co 2:4-5].

Esse poder na confinça do Espirito Santo está atrelado profundamente com o procedimento ortopratico da ortodoxia, a saber, a qualidade da pregação era confirmada não apenas pela entrega da mensagem, sobretudo, pela vida diária dos seus mensageiros, a existência de Paulo era exemplar, sua vida era uma biblioteca pública, aberta para os homens visitarem e lerem a vontade, com isso a credibilidade do poder da GRAÇA de Deus aumentava a cada dia, provando assim que era possível uma excelência no processo de santificação do caráter pessoal, cada ser humano chamado por Deus tem o desafio de matar o antigo, é ser santo como Santo é Aquele que nos chamou! [Lv 11: 45 e I Pe 1:15-16]

Os tessalonicenses haviam se tornado a terceira geração de imitadores [μιμηται] de Jesus Cristo; Cristo foi o pioneiro, apóstolo Paulo o segundo e essa igreja entra no desafio do processo na existência de imitar á Cristo, ela é a terceira geração de imitadores.

Rogo-vos, portanto, que sejais meus imitadores… I Corintios 4: 16

O próximo passo a ser dado depois de entrar no processo de santificação pessoal, é se tornar modelo, dessa nova vida, alguns iniciam a caminhada mas não tem sucesso em matar os dragões existênciais do velho eu, já outros levam a sério a doutrina da santidade, e se tornam refêrencia da caminhada cristã, a palavra grega [τυπους] era usada para descrever o selo que marcava a cera ou o brasão que cunhava as moedas, logo, entendemos que São Paulo recomenda aos Tessalonicenses serem cristãos autenticos, que marquem Cristo nos seres humanos do seu convivio, para esses eleitos os marcados foram o povo da Macedonia e Acaia.

A mensagem de Cristo [ortodoxia] teve pelo menos três ações na prática [ortopraxia] dos tessalonicenses, a primeira delas foi a repercusão da Palavra do Senhor por toda parte, a segunda, eles deixaram os ídolos e converteram a sua prática ao querer de Deus e a terceira e última, eles aguardavam dos céus o filho de Deus, Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, que nos livra da ira vindoura.

Soli Deo Glória.

Deixe um Comentário

Digite o texto e Pressione Enter para pesquisar no Site